TUDO SOBRE OS FIDELITAS

TUDO SOBRE OS FIDELITAS!
Existe apenas uma igreja católica? Primeira leitura dos textos.
Qual a diferença entre a igreja católica fidelitas e a igreja católica romana? Segunda leitura dos textos.
O que é sucessão apostólica? Terceira leitura dos textos
Qual é o significado do bispo católico fidelitas? Quarta leitura dos textos, leia por partes até o final da pagina… Deus com você. o texto é grande mas copie e vai lendo tudo sobre nós fidelitas.
Essa é a pergunta que muitos Cristãos Católicos não fazem, simplesmente porque não conhecem a História do Cristianismo Católico. Quando muitos Cristãos Católicos descobrem essa possibilidade, encontram outros caminhos para seguirem o Catolicismo sem se prenderem a apenas uma denominação Católica e assim continuar a sua caminhada de Fé na Igreja de Cristo. Vamos entender um pouco disso tudo: A Igreja Católica (o termo ‘’Católico’’ derivado da palavra grega (Katholikos), significa ‘’universal’’, ‘’geral’’, ou ‘’referente à totalidade’’), conhecida pela maioria dos brasileiros católicos apenas como Igreja Católica Apostólica Romana, ou Igreja Romana, pelas outras Igrejas Católicas. A ‘’Igreja Romana’’ é uma grande denominação Católica, presente na maioria dos países, liderada pelo Papa, sucessor do Apóstolo São Pedro. Mas onde estão os outros sucessores dos Apóstolos de Cristo os vigários de Cristo? Como encontramos as outras Igrejas Católicas presentes no mundo? Se existisse apenas uma Igreja Católica, não haveria necessidade de um título tão grande: ‘’Igreja Católica Apostólica Romana’’. Vamos conhecer um pouco do início do Cristianismo Católico: Tudo começou a mais de dois mil anos, quando Nosso Senhor Jesus Cristo junto com seus Apóstolos, fundou (Cristo não fundou igreja nenhuma) mas enviou os Apóstolos com autoridade e Poder para Evangelizarem por todo mundo. Assim nasceu a ‘’Igreja Primitiva’’, que com a ida dos Apóstolos para vários lugares, com o tempo se organizaram e a ‘’Igreja Primitiva’’, ganhou cinco Patriarcados históricos: Roma, Constantinopla, Alexandria, Antioquia e Jerusalém, conduzidos pelos Sucessores dos Apóstolos de Cristo, ou seja, os vigários de Cristo pois os apóstolos não tiveram sucessores. Essa caminhada permaneceu até a Grande Cisma que foi o evento que causou a divisão da Igreja de Cristo, separando-a em duas: Igreja Católica Apostólica Romana e a Igreja Católica Apostólica Ortodoxa, a partir do ano 1054 D.C., quando os líderes dos Patriarcados de Constantinopla; Miguel I e do Patriarcado de Roma; Leão IX excomungou-se mutuamente, por discordarem de práticas teológicas, litúrgicas e disciplinares. Com isso nasceu a Igreja do Oriente; ‘’Igreja Católica Ortodoxa’’ e a Igreja do Ocidente; ‘’Igreja Católica Romana’’, que até hoje buscam uma Unidade Católica. Existem pelo mundo inúmeras outras Igrejas Católicas Ortodoxas que nasceram dos Patriarcados, após o Cisma. Por isso que é mais comum encontrar nos países do Oriente, como por exemplo: a Turquia, que tem como a representação Católica, a dos Católicos Ortodoxos e nos países do ocidente, como por exemplo: o Brasil, que tem como a representação Católica, a dos ‘’Católicos Romanos’’. Em 1534 D.C., surge mais uma divisão no Cristianismo Católico, agora na Igreja Católica Apostólica Romana, no período histórico da Reforma Protestante de Lutero, que originou os Cristãos Evangélicos, e a Igreja Católica Apostólica Romana presente na Inglaterra que se separou em definitivo da Igreja de Roma, por iniciativa do Rei Henrique VIII, que era defensor do Catolicismo Romano, mas por conta do conflito doutrinário havido com o Papa Clemente VII, relacionado com o pedido de anulação de seu Matrimônio ‘’Casamento’’ com Catarina de Aragão, para se casar com Ana Bolena, resolveu romper com a Igreja de Roma, originando a Igreja Católica da Inglaterra, ou Igreja Inglesa ‘’Igreja Anglicana’’. A Cisão se deu através do Ato de Supremacia, confiscando todas as propriedades que a Igreja de Roma possuía na Inglaterra. Após a morte de Henrique VIII, a Inglaterra se separou momentaneamente do Cisma. Henrique VIII deixou um herdeiro, Edward VI, que era Protestante. Este teve um reinado curto pela sua morte com apenas 15 anos de idade. Seguindo a linha sucessória, sua irmã Maria I, Católica Romana, ratificou o Ato de Reconciliação da Inglaterra com Roma. Mas o seu reino foi curto. A emancipação da Igreja Católica Inglesa da autoridade papal, através da iniciativa de Henrique VIII, não transformou a Inglaterra em um país protestante, pois a Igreja Católica da Inglaterra permaneceu com os princípios doutrinários e litúrgicos da Igreja Católica Romana. Somente no reinado de Elisabeth I, a Igreja Inglesa se firmara no caminho da via média entre o Catolicismo Romano e o Protestantismo, característica que mantem até hoje, quando é possível encontrar em mais de 150 Comunhões ligadas a Sé Inglesa, Paróquias Anglicanas voltadas para o seguimento Protestante e Paróquias Anglicanas voltadas para o seguimento de tradição Católica Romana. Vimos que historicamente existem outras Igrejas Católicas com Legítima Sucessão Apostólica que nos levará aos Apóstolos de Jesus Cristo. E que se reconhecem pelo Credo Niceno- Constantinopolitano que é a declaração de Fé Cristã Católica aceita pela maioria das Igrejas Católicas. No Brasil existem inúmeras denominações Católicas dissidentes da Igreja Católica Apostólica Romana, como por exemplo, a Igreja Católica Apostólica Brasileira a Igreja Apostólica Vetero católica do Brasil Fidelitas de tradição dos velhos católicos do EUA E POLÔNIA e no mundo encontramos inúmeras outras denominações Católicas que celebram validamente e licitamente os Sagrados Sacramentos, e que mantém a Tradição do Sacramento da Ordem através da transmissão legítima da Sucessão Apostólica, presente na linha sucessória da Igreja Católica Apostólica Romana, que passou a sucessão para a Igreja Inglesa ‘’Igreja Católica Anglicana’’ e na linha sucessória da Igreja Católica Apostólica Ortodoxa a nossa igreja está ligada ao Catolicismo Polones e de Jerusalém, que tem como seguimento o Catolicismo Tradicional. Rezemos pela Unidade dos Cristãos e, sobretudo do respeito entre os Cristãos Católicos!!
QUAL A DIFERENÇA ENTRE A IGREJA CATÓLICA FIDELITAS E A IGREJA CATÓLICA ROMANA?
De certo modo, não há diferenças entre as duas Igrejas Católicas. Ambas são Igrejas Cristãs Católicas, que tem a mesma origem das Igrejas Católicas Ortodoxas. Como tal, os Veteros Católicos os Anglicanos e os Católicos Romanos preservam a mesma Tradição recebida dos Apóstolos. Católicos Anglicanos Veteros Católicos e Romanos possuem a mesma Bíblia, com os dois Testamentos, como base de sua Fé, mas também leem os livros apócrifos, que são os livros da Bíblia hebraica escritos em grego. As duas Igrejas recitam juntas os Credo Niceno e Apostólico. Ambas administram o Sacramento do Batismo e a Confirmação (Crisma),celebram a Santa Eucaristia (Santa Missa) e os outros Sacramentos: a Penitência, o Matrimônio, a Unção dos Enfermos e o Sacramento da Ordem. Também afirmam ser a Eucaristia o centro de seu culto. Seus Clérigos, após anos de estudos e preparo, são ordenados primeiramente Diáconos e depois Presbíteros (Padres), e alguns Presbíteros são escolhidos pela Igreja para o grau do Episcopado, se tornando Bispos, que por sua vez conservam cuidadosamente a Linha da Sucessão Apostólica que remonta as Igrejas Primitivas. As Igrejas conservam ainda o uso do Calendário Cristão Católico como forma de vivenciar melhor o Mistério Pascal. Existem também lugares santos dedicados à Maria, Mãe de Deus, em ambas as Igrejas. Além disso, muitos seguimentos também rezam o Terço como uma saudável prática espiritual. Ambas as Igrejas usam vestes litúrgicas iguais e em outros seguimentos, usam vestes semelhantes. As Igrejas também usam o Calendário das Festas dos Santos com orações especiais e leituras para os dias de Festa. As maiores diferenças encontram-se nos detalhes. Essas diferenças provêm de uma questão central: ‘’Quem tem autoridade na Igreja?” Para os Católicos Romanos o Papa tem a autoridade sobre a Igreja. Para os Veteros Católicos o Patriarca e Sumo Sacerdote Superior do Patriarcado de Jerusalém nas Américas, não existe uma autoridade absoluta. Cada Igreja pertence à uma Comunhão Canônica porque está em Comunhão com o Patriarca e busca manter a Fé Católica e a ordem reformada que herdou da Igreja da Polônia. São mais de 150 Comunhões fidelitas espalhadas pelo mundo. Mas cada uma é independente. O Patriarca serve como guia espiritual e símbolo da unidade. Outra importante diferença entre a Igreja Fidelitas e a Igreja Romana é que, a Igreja Apostolica Vetero Catolica do Brasil Fidelitas aceita celebrar o Santo Sacramento do Matrimônio para Noivos Divorciados, ou seja, pessoas que já se casaram na Igreja e se separam. Vamos entender um pouco as diferentes faces da Igreja Católica Fidelitas pelo mundo. O Catolicismo Fidelitas tem um grande Lema Pastoral: UNIDADE NA DIVERSIDADE, que quer dizer que os Católicos fidelitas tem mais liberdade de ação (e portanto mais desafios) que os Católicos Romanos como indivíduos em suas Dioceses, Províncias ou Igrejas Nacionais. Os Fidelitas, sendo uma única Igreja, está na prática dividido em 3 seguimentos: os ‘’Fidelitas da Alta Igreja’’, também chamados Veteros Católicos, os ‘’fidelitas da Baixa Igreja’’ e os ‘’fidelitas da Igreja Ampla’’, caem no meio das duas correntes (e que provavelmente são a maioria dos fidelitas ao redor do mundo). Embora todos os elementos da Comunhão fidelitas recitem os mesmos credos, os fidelitas da Baixa Igreja tratam a palavra Católico no Credo Apostólico como um mero sinônimo antigo para universal, ao passo que os fidelçitas da Alta Igreja a tratam como o nome da IGREJA DE CRISTO à qual pertencem eles, a Igreja Católica Romana, as Igrejas Católicas Ortodoxas e outras Igrejas Católicas da SUCESSÃO APOSTÓLICA. Vamos entender um pouco dos três seguimentos tradicionais da Igreja: Os fidelitas da Alta Igreja é o seguimento que se mantém fiel aos princípios da Igreja de Cristo, das Tradições e liturgias da Igreja Católica Romana, com poucas diferenças e grandes semelhanças. São conhecidos como Católicos fidelitas ou Veteros Católicos que acreditam na Herança da Fé, mantida e guardada através da SUCESSÃO APOSTÓLICA. Na prática as diferenças são quase imperfectíveis nas Paróquias Católicas fideçlitas e nas Paróquias Católicas Romanas. Os fidelitas da Baixa Igreja seguem uma linha mais protestante ‘’Evangélica’’, onde em suas Igrejas não se tem imagens, devoção mariana, não fazem sinal da cruz e seguem a bíblia e costumes da Reforma Protestante liderada por Lutero. A sucessão apostólica nesse seguimento é contestada como válida, por não acreditarem que a Sucessão Apostólica vem dos Apóstolos, que por Tradição passaram o Poder Sacerdotal para os seus sucessores de geração em geração até os dias de hoje. Nesse seguimento é muito comum encontrar mulheres ordenadas, ou seja, diaconisas, reverendas ou sacerdotisas e até mesmo bispas. Então para melhor entendimento: Os Anglicanos da Baixa Igreja se assemelham aos irmãos Cristãos Evangélicos. Os fidelitas da Igreja Ampla, seguem uma linha ecumênica, ou seja, em algumas Igrejas é possível encontrar uma comunidade eclesial que é voltada para os ritos e tradições da Igreja Católica Romana, outras comunidades voltadas para as liturgias e doutrinas das Igrejas Evangélicas, e até comunidades que têm ao mesmo tempo uma parte de cada seguimento, tanto Católico, quanto Evangélico. O Celibato Sacerdotal é opcional na maioria das Igrejas. Nossa Linha segue a linha dos Fidelitas da Alta Igreja. Somos Felizes por sermos Católicos Fidelitas, pertencentes à Igreja de Cristo!!!
O QUE É SUCESSÃO APOSTÓLICA?
Quando Cristo veio à terra e Edificou a sua Igreja, dentre seus discípulos elegeu doze homens e lhe conferiu Autoridade, Poder e um Ministério a cumprir: Pastorear a Igreja. Com a expressão ‘’Sucessão Apostólica’’ se indica, em teologia, que os Apóstolos, conscientes de que não viveriam para sempre e por vontade de Jesus Cristo, estavam destinados a possuir sucessores que continuariam o seu Ministério, com a mesma Autoridade que eles receberam de Nosso Senhor. Somente pode ostentar autoridade aquele que a tem por direito próprio (Deus) ou aquele a quem lhe foi conferida (delegado). Quando Cristo nomeou os seus Apóstolos lhe conferiu autoridade: ‘’E quando já era dia, chamou a si os seus discípulos e escolheu doze deles, a quem também deu o nome de Apóstolos… ‘’ (Lucas 6, 13-16). ‘’ E convocando os seus doze discípulos, deu-lhes autoridade e poder sobre todos os demônios e para curarem enfermidades’’ (Lucas 9, 1). Eles foram enviados assim como o Pai havia enviado a Cristo (com a mesma autoridade). ‘’Jesus disse-lhes… ‘Recebei o Espírito Santo. Aqueles a quem perdoardes os pecados, estes lhes serão perdoados; aqueles a quem os retiverdes, estes lhes serão retidos’’ (João 20,21-23). Os Apóstolos fundaram as Igrejas e também estabeleceram as regras a serem observadas, ordenando com toda a autoridade: ‘’ Conforme iam passando pelas cidades, iam também entregando, para que observassem, as decisões tomadas pelos Apóstolos e Presbíteros (Padres) em Jerusalém’’ (Atos 16,4). Nas Cartas do Apóstolo São Paulo, vemos comumente São Paulo enviar ordens a todas as Igrejas: (1 Coríntios 7,17). Só é possível ter Real Autoridade quando esta foi conferida por alguém que, por sua vez, possuí legitimamente. Os Apóstolos estavam conscientes da obrigação que tinham de que seus SUCESSORES poderiam exercer seu Ministério de forma plena, organizando Igrejas e colocando à frente homens capazes, como nos lembra as Sagradas Escrituras: ‘’ Designavam presbíteros em cada Igreja e após oração e jejuns, os encomendavam ao Senhor em quem haviam crido’’ (Atos 14,23). É fato, que a Tradição Católica, em suas inúmeras denominações, possui a SUCESSÃO APOSTÓLICA. A mais conhecida delas, é a Sucessão Apostólica que vêm do Apóstolo São Pedro, que originou a Igreja Católica Romana, que passou a Sucessão Apostólica para as Igrejas Católicas Apostólicas Veteros Católica, Igreja Católica Brasileira e outras Igrejas Católicas Nacionais e Independentes, presentes em vários países. Além da Sucessão Apostólica do Apóstolo São Pedro existe outras Linhas Sucessórias, afinal Cristo escolheu doze Apóstolos, um o traiu, mas permaneceram onze. Esses outros Apóstolos tem a sua Sucessão Apostólica presente nas Igrejas Católicas Ortodoxas e outras. E com essa base da Tradição Cristã Católica, afirmamos que: Os Sacramentos Celebrados pelos Diáconos, Padres e Bispos, com Sucessão Apostólica Legítima, são Válidos! Algumas denominações Cristãs Católicas, não tem a Sucessão Apostólica ininterrupta, por isso poderão ser questionadas da sua Legitimidade Apostólica. Para uma Ordenação ser considerada legítima, a primeira coisa é ter certeza que Bispo ordenante, tem a Sucessão Apostólica Válida, ou seja, os Bispos que o ordenaram Bispo, saíram de uma Sucessão Apostólica que vêm dos Apóstolos de Jesus Cristo. Assim afirmamos que a nossa Igreja do seguimento Católico FIDELITAS , tem a Sucessão Apostólica Legítima e Válida da Linha Sucessória do Apóstolo São Pedro. Rezemos pela Unidade Apostólica! Deus abençoe!
QUAL É O SIGNIFICADO DO BISPO CATÓLICO FIDELITAS?
A palavra Bispo, do latim Episcopus: Supervisor, ou seja, ‘’aquele que vê por cima, pelo alto, que supervisiona’’. É um título religioso presente em diversas Igrejas Católicas e em outras Igrejas Cristãs, tendo cada uma o seu conceito e suas tradições específicas. Os Bispos Católicos FIDELITAS e os outros Bispos Católicos são os Sucessores dos Apóstolos. Eles por mandato divino regem a Igreja de Cristo. Jesus enviou os apóstolos assim como ele foi enviado: Jesus lhes disse de novo: ‘’A paz esteja com vocês. Assim como o Pai me enviou, eu também envio vocês’’. (Jo 20,21). Os apóstolos, portanto deixaram sucessores e eles são os Bispos Católicos que conhecemos nos tempos atuais. Em nossa Igreja Apostólica vetero Católica do Brasil Fidelitas é legítima e nunca se rompeu. A Sucessão Apostólica foi transmitida de forma contínua até nossos dias. A Sucessão Apostólica mais conhecida é a Sucessão do Apóstolo São Pedro, que tem como o seu Sucessor nos tempos atuais, o Papa Francisco. Mais é de extrema importância lembrar que existem as outras linhas sucessórias dos outros apóstolos de Cristo, que em sua maioria se fazem presentes nas Igrejas Católicas Ortodoxas e3 veteros católicas. E na Igreja Católica fidelitas se faz presente nos Diáconos, Padres, Bispos e Arcebispos, a Sucessão Apostólica de São Pedro. Assim o principal Ministério na Igreja de Cristo é o dos Bispos que conservam a semente do Ministério Apostólico. A partir da Sagrada Escritura que fala do Bispo: ‘’ De fato, é preciso que o epíscopo seja irrepreensível, como administrador que é das coisas de Deus. Não seja arrogante, não se irrite com facilidade, não seja beberrão, nem violento, nem desejoso de lucro desonesto. Ao contrário, deve ser hospitaleiro, amante do bem, prudente, justo, piedoso e disciplinado. Seja fiel na exposição da palavra, para que consiga encorajar com a sã doutrina e contestar os que a rejeitam’’. (Tt 1,7-9), Santo Irineu no ano 140 atesta que a fé dos apóstolos é guardada pelos Bispos, instituídos pelos apóstolos e seus sucessores até nós. Nos Bispos que recebem a plenitude do Sacerdócio, nos Presbíteros (Padres) e Diáconos, seus colaboradores, Jesus sinaliza que cumpre sua promessa de estar conosco, com a Igreja, até o fim dos tempos (Mt 28,20). É o próprio Jesus Cristo que age na Igreja através de seus Ministros Ordenados (Diáconos, Padres e Bispos). Para isso os Bispos recebem a efusão dos Dons do Espirito Santo, mediante a Imposição das mãos (Desde os tempos apostólicos) na Ordenação Episcopal (At 1,8; Jo 20,22-23; 2Tm 1,6-7). O Bispo recebe a Plenitude do Sacramento da Ordem para ser Ministro Ordenado de Cristo e dispensador dos mistérios de Deus e garantia da unidade de sua Igreja (1Cor 4,1), dar testemunho do Evangelho pela pregação (Rm 15,16), administrar a justiça e o Espírito (2Cor 3,8-9). A Sagração Episcopal confere a tarefa de Santificar, Ensinar e Governar a Igreja que lhe é confiada. A palavra chave para entender a missão do Bispo é o Serviço. Jesus veio para servir: “Eu estou no meio de vós como aquele que serve’’ (Lc 22,27), mediante a imposição das mãos e as palavras da Consagração é concedida a graça do Espirito Santo e impresso o caráter sagrado de tal modo que os Bispos, de maneira eminente e visível, fazem as vezes do próprio Cristo, Mestre, Pastor e Pontífice e agem em seu nome. Ensinar: são mestres, pregoeiros e guardiões da fé que deve ser crida e praticada; Vigilantes, devem afastar os erros que ameaçam o rebanho (2Tm 4, 1-4). Santificar: o Bispo santifica seu povo rezando e orando por ele, presidindo os Sacramentos e Edificando a todos com o exemplo de sua vida. Governar: o Bispo tem autoridade para dirigir, organizar, legislar e favorecer o rebanho. Para isso ele tem poder próprio, ordinário e imediato visando sempre a utilidade dos fiéis e o bem da Igreja de Cristo. Na perspectiva do Reino de Deus o maior é o que serve (Mc 10,43). Torna-se necessário dizer uma palavra, sobre alguns símbolos recebidos pelos Bispos no dia de sua ORDENAÇÃO EPISCOPAL e que lhe são próprios e expressam seu ofício. Báculo: Bastão ou cajado, símbolo do poder-serviço e da missão de pastor. É usado somente em solenidades e funções litúrgicas. Mitra: Símbolo da santidade e poder espiritual. Com suas pontas voltadas para o alto indica a pertença a Deus. Com suas duas partes separadas e duas ínfulas (Fitas que caem para traz), é símbolo da antiga e nova aliança. Simboliza também o capacete usado para defender a fé. É usado somente nas solenidades e funções litúrgicas. Anel Episcopal: É sinal de união e fidelidade eternas. Sinaliza o dever do Bispo, de ser guardião da aliança de amor entre Cristo esposo, e sua esposa a Igreja. É usado sempre pelo Bispo. Cruz Peitoral: A cruz é símbolo universal da mediação e do mediador (Jesus) com duas ligações de pontos opostos. A partir da ressurreição, a cruz se torna sinal da vitória sobre a morte, e da vida nova em Cristo, a qual o Bispo, sucessor dos apóstolos, deve anunciar. Usada sempre pelo Bispo. Solidéu: barrete em forma de calota de cor violácea (violeta), para Bispos e Arcebispos, que simboliza a total consagração da vida a Deus. E Como chamar o Bispo? Para chama-lo usa-se o título de DOM, abreviatura do latim dominus, senhor. Qual a diferença dos Bispos, Arcebispos e Cardeais? Todos são Bispos, ordenados, no grau máximo do Sacramento da Ordem, o Episcopado. O Bispo é o pastor de uma Igreja particular, ou seja, responsável de uma Diocese, parte da jurisdição de uma Igreja Católica no sentido de Instituição ou denominação Católica. Já o Arcebispo é o Bispo responsável de uma Arquidiocese ‘’ Diocese de uma grande cidade’’, geralmente é a Arquidiocese Metropolitana ou a Diocese mais antiga. Os Cardeais são geralmente Bispos de importantes Dioceses do mundo. Esses Bispos Cardeais poderão ser eleitos Papas. O Papa é o Bispo da Diocese de Roma, e recebe esse título por ser o Líder e Chefe de uma tradicional denominação Católica. Nas Igrejas Católicas Fidelitas, os Bispos líderes recebem o título de Primazes e o chefe maior é o Patriarcas e na Igreja Católica, recebem o título de Arcebispo ou Arcebispo Primaz que esta abaixo do Patriarca e os auxilia na construção da igreja de Cristo..
Deus abençoe os Bispos!
Shalom.