TENDÊNCIA NEGATIVA

MUITOS ACABAM SE ACOSTUMANDO COM A IDEIA DE QUE A VIDA É FEITA APENAS DE SOFRIMENTO. VEJA COMO SUPERAR ESSA TENDÊNCIA NEGATIVA.
   Nas reuniões de adoração de uma igreja bíblica e católica, as orações fazem parte da adoração. Quando nos reunimos, devemos nos dedicar com intensidade a oração em todo o tempo da reunião. Ao chegarmos à casa de oração (igreja), devemos dobrar nossos joelhos para agradecer a Deus pela vida, para fazer confissão de nossos pecados e para pedirmos que Ele ilumine nosso coração para entendermos o que Ele deseja nos comunicar. Nas orações públicas, devemos de fato orar, levantar nossas mãos e invocarmos seu nome precioso. Em toda a reunião, assim como Samuel, devemos dizer: “Fala Senhor, porque o teu servo ouve” (1 Sm 3.10).
   Sempre dando graças por tudo a Deus, o Pai, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Efésios 5:20. Quero, pois, que os homens orem em todo lugar, levantando mãos santas, sem ira nem contenda. 1 Timóteo 2:8 e perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e do vinho nas orações de celebrações. Atos 2:42.
ESTRADA
   Não há uma estrada real para felicidade, mas sim caminhos diferentes. Há quem seja feliz sem coisa nenhuma, enquanto outros são infelizes possuindo tudo. Se criarmos muitas expectativas em relação a determinada pessoa ou situação, corremos o risco de nos frustrarmos, caso algo não aconteça da forma como esperamos, portanto, depositemos toda nossa esperança no Senhor, nosso Deus, confiando inteiramente em sua divina providência, pois Ele é o único que não nos decepciona; Ele é fiel as suas promessas e realiza na vida daqueles que Nele acreditam, milagres admiráveis.
ALGUMAS PESSOAS
   Acreditam que sofrer o tempo todo é inevitável. Pessoas assim correm o risco de perder a vitalidade e a esperança. Elas sonham com um milagre que mude o curso de suas vidas. Ou seja, esperam que a solução venha de fora. Esse tipo de atitude acaba fazendo com que a pessoa se torne uma vítima passiva das dificuldades que enfrenta. Mas a vida é mesmo assim? Tais pessoas se adaptam à ideia de que a vida é mesmo assim e que você não tem opções, vivendo em um estado mental de submissão e fraqueza diante da realidade. De fato, quando crianças, vivenciamos esse imenso sentimento de dependência. Ou seja, precisamos da ajuda total de nossos pais para sobreviver. É certo que, na infância, conhecemos o sentimento de estar à mercê dos altos e baixos do nosso entorno, sem poder fazer nada a respeito, além do que os adultos poderiam fazer por nós.
   A mudança acontece quando amadurecemos. Quer dizer, à medida que crescemos, temos de nos libertar da mentalidade infantil, a qual quer forçar sobre nós a dependência e a passividade. Assim, com o amadurecimento, você passa a ser capaz de resolver dificuldades e desafios de uma maneira mais pessoal e autônoma. Primeira chave para sair do sofrimento: superar a mentalidade infantil. Aqui está a primeira chave para sair do sofrimento. É preciso superar a mentalidade subjetiva infantil, que é baseada na dependência, na impotência e na passividade submissa de crer que são os outros que virão salvá-lo(a), sem acreditar que você mesmo tem de ser a sua própria solução.   
       Certamente, estamos nas mãos de Deus, e muitas situações não estão fora do nosso controle. Mas, ao menos em relação às coisas que estão ao nosso alcance, devemos assumi-las firmemente e executá-las com toda confiança e determinação. Trata-se de erradicar a fantasia e o pensamento mágico da infância, dando lugar à inteligência objetiva. Assim, paramos de nos afligir por esse sentimento de desamparo, que nos leva a esperar que alguém venha nos salvar do sofrimento. Chega de se sentir impotente, indefeso (a), desprotegido (a), vulnerável; chega de achar-se incapaz. É preciso barrar esse pensamento de desolação que te impede de fazer o que é necessário para parar de sofrer. Trata-se de mudar da atitude passiva para a proativa, fazer as mudanças necessárias e tomar as ações apropriadas, criando um ambiente mais maduro, independente, autossuficiente. Isso com a convicção de que você está fazendo a sua parte, e não apenas esperando melancolicamente. Lute por melhorias, dia após dia. É uma das características mais importantes que devemos desenvolver para superar as dificuldades e os fracassos que nos levam ao sofrimento. Segunda chave para sair do sofrimento: abandonar as expectativas irreais A outra chave importante é parar de ter expectativas fantasiosas e irreais que não estão ao alcance do esforço e dos recursos que temos. É o drama de querer que o mundo ou as pessoas não sejam o que de fato são. É o drama de não saber aceitar a realidade. Pessoas assim ficam esperando, e com isso sofrendo, porque não podem controlar o mundo nem os outros. Ou seja, é preciso reconhecer que as coisas não vão mudar simplesmente porque você quer. Claro, tudo pode (e deve) melhorar. Mas enquanto isso não acontece do jeito que você espera, não fique com raiva nem atormentado. Pois viver excessivamente estressado por que as coisas são do jeito que são é algo muito desgastante. E, além disso, conduz ao sofrimento contínuo. Em suma, se você vai sofrer que seja por algo que realmente merece. Que não seja por tanta bobagem que acontece no dia-a-dia. Então, precisamos, por um lado, superar a mentalidade passiva da infância. E, por outro, parar de nos atormentar com ideais inatingíveis, que só geram frustrações. Esse é o caminho para deixar para trás o sofrimento desnecessário e passar a aproveitar melhor a vida.
Shalom
+Dom Paulus Nunes-sce
Patriarca
Sacerdote Superior do Patriarcado de Jerusalém nas Américas.