IGREJA QUE MAIS CRESCE NO BRASIL E NO MUNDO DAS INDEPENDENTES
PESCADORES DE ALMAS – LUZ ET VITA PAX.
   Neste momento não tenho muito que dizer, mas sejam luzes e sal na terra, não temam, pois o Senhor do céu e da terra está com vocês sacerdotes ungidos. Sejam bom como sempre foram não se maltratem pelos dias ruins que não podem ter tudo o que querem. Ao lidar com essas fragilidades, tenham paciência e muito amor, pois também é um aprendizado para darmos valor em tudo que temos e somos. Somos diamantes a ser lapidados, busquem trabalhar suas mentes em oração e fé, floresçam, brilhem! O mundo é a sua casa, e a eternidade é o seu destino desbrave sem medo a vida que Deus vos deu, e sempre lembrem que ele é o dono de nosso tempo e do Universo. O PRINCIPIO E O FIM O ALFA E O OMÊGA Vejam eu me perdi na minha vida e me encontrei em Deus, glória ao Pai+e ao Filho+ e ao Espirito Santo+ Amém. +Dom Paulus Nunes-sce
PALAVRAS DE SABEDORIA:
Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. MATEUS 28:19 –
O QUE NOSSA IGREJA PREGA!
   O tempo que dedicamos às nossas atividades profissionais – sejam elas formais ou avulsas – excede em muito ao tempo que dedicamos a todas as outras práticas, sejam elas pessoais ou sociais. Jesus sabia disso. Consequentemente, no Seu projeto de estabelecer o Reino de Deus na Terra, achou por bem dar um treinamento especial e mais íntimo a um grupo de seguidores, a que a Bíblia identificou como “apóstolos”.
Nossa vocação, como discípulos de Jesus, é compartilhar as “boas novas” da vida eterna “a toda criatura” (Mateus 28:19). Isto significa dizer que nossa vocação cristã não tem limites, sejam eles geográficos ou culturais.
   Jesus praticou a mensagem que nos anunciou: ao invés de compartilhar Sua vida apenas com os amigos e simpatizantes, dedicou-se a amar os antipáticos e os inimigos. Sua lógica espiritual foi: “são os doentes que precisam de médico, não são aqueles que têm boa saúde. Meu propósito é convidar os pecadores a se arrependerem dos seus pecados, e não gastar meu tempo com aqueles que acham que já é gente boa…” (Lucas 6:31. É para ser este tipo de “pescador” que Cristo nos envia e nos prepara, ungindo-nos com o conhecimento e o poder do Seu Espírito. Todo sacerdote empreendedor ou profissional liberal secular sabe que, no fim das contas, o que importa é agradar a Deus e os fiéis. Entretanto, para conseguir aceitar as críticas de pessoas alienadas e pseudos sacerdotes e usá-las à seu favor, é necessário autocontrole e um certo treinamento. Pensando nisso, separei 3 dicas simples, mas poderosas, que farão você aceitar essas críticas e, consequentemente, se tornar um sacerdote cada vez melhor.
1.SEGURE SUA A REAÇÃO INICIAL:
   Quase sempre as críticas incomodam. E é óbvio que nossas reações iniciais tendem a serem defensivas e emotivas. Mas nesse momento, é crucial conter aquela vontade de retrucar. Simplesmente escute as reclamações do seu algoz.
2. SEJA HUMILDE:
   Passada aquela tensão inicial, é hora de ter humildade e assumir os possíveis erros que você possa ter cometido. Mesmo que o seu algoz esteja exagerando e sendo desproporcional, peça desculpas e tente resolver a situação da melhor maneira possível para que cesse ás falácias.
3. OLHE PRA FRENTE:
   Com a situação resolvida e o oponente mais calmo, o momento é de reflexão. Pense em atitudes e procedimentos para que tal situação não se repita, mesmo que o seu oponente tenha exagerado na reclamação. Seja meticuloso e não deixe mais nenhuma brecha para indisposições futuras. Aprender a transformar qualquer crítica em algo construtivo é uma das características mais importantes de sacerdotes empreendedores e profissionais liberais de sucesso. Acredite!
VIDA DE LOUVOR A DEUS:
   Efésios 1:6 – Para louvor e glória da sua graça, pela qual nos fez agradáveis a si no Amado,.
O propósito de Deus a nosso respeito tem a ver com o louvor da glória de Deus (Ef 1.6). O evangelho não diz respeito a nós, mas a Deus e a Sua glória. Por isso, tudo o que o Nosso Senhor faz tem o objetivo primordial de revelar a sua glória às nações. Sendo assim, conforme o bom propósito dele, de nos tornar semelhantes a Jesus, vai se concretizando em nossa vida, devemos render a Ele toda honra, glória e louvor. Esse é um bom indicativo para entendermos se estamos vivendo o propósito de Deus para nossa vida (ou não): nossas ações têm levado pessoas a glorificarem a Deus? Nossas conquistas exaltam a bondade de Deus ou apenas servem para inflar nosso ego? Quanto da minha vida é dedicado a glorificar o Deus que me salvou? Os que foram escolhidos por Deus e predestinados para a adoção de filhos anseiam pela glória de Deus. Pense nisso!
Um grande e fraternal abraço,
+Dom Paulus Nunes-sce
Patriarca.