4° DOMINGO DO TEMPO COMUM

  PROJETO MESSIÂNICO DE JESUS

   Ser discípulo de Jesus exige deixar de lado o coração endurecido e não fazer outras exigências a não ser a de viver a Boa Nova anunciada. Participemos alegremente de nossa Eucaristia dominical na certeza de que dela sairemos mais fortalecidos para testemunhar o amor de Jesus.

VENERÁVEL ORDEM TERCEIRA DO CARMO DE SERGIPE: Domingo IV do Tempo Comum

   A primeira leitura (Jeremias 1,4-5.17-19), apresenta a figura do profeta Jeremias. Escolhido, consagrado e constituído profeta por Jahwéh, Jeremias vai arrostar com todo o tipo de dificuldades; mas não desistirá de concretizar a sua missão e de tornar uma realidade viva no meio dos homens a Palavra de Deus.

 Quem? Eu? Não posso, porque…

   Quantas vezes você reagiu assim quando pediram tarefas difíceis? Jeremias personifica esta tendência humana a fugir de dificuldade.

   Deus nos chama a ser seus profetas: Tem um sonho para nós, adequado à nossa idade e à nossa situação pessoal e social. Aceite sua missão!

   A quem você fala, Senhor? A mim?

   Sim, a você! Comigo você tudo pode. Não tenha medo

   Como poderia ele, e como podemos nós, recusar o chamado de Deus? Como lhe pede Deus que colabore com a missão salvadora de Jesus?

O Evangelho tirado de Lucas 4, 21-30 nos convida a escutar Jesus definir com as palavras do profeta Isaias seu projeto de libertar os pobres, os cativos, os cegos e os oprimidos da carga que implicavam as normas impostas por seus líderes religiosos e o domínio do Império Romano. Jesus se identifica como profeta e declara: “Hoje se cumpriu este oraculo que vós acabais de ouvir”. A partir de Jesus a libertação dos pobres é um programa para o cristão.

   Diante de seu atrevimento, pipocaram as críticas e a desconfiança. Era tão sério o incômodo, que tiraram Jesus da cidade, e inclusive procuraram empurra-lo morro abaixo. Mas jesus, abrindo passagem entre eles, retirou-se.

   Jesus veio para libertar-nos do que nos impede de viver dignamente como filhos e filhas de Deus. De que tipo de pobreza você e os jovens com os quais convive necessitam libertar-se? Estão cativos de uma vida sem sentido, com vazios ou simplesmente medíocre?

   Quantos Jovens estão presos nos cárceres, inclusive nos cárceres para menores? Que cegueiras evitam descobrir que Jesus veio para todos e está presente em nossa vida? De que opressões é importante libertar-se para levar uma vida de amor, paz e justiça?

   Se nós estamos conscientes de que necessitamos de sua salvação urgentemente, não a rejeitemos, como sucedeu em Nazaré.

   A segunda leitura tirada de 1Corintios 13,4-13 nos convidar a alegrar-se com esse capítulo de Paulo, conhecido como o Cântico dos Cânticos da Nova Aliança. Sua mensagem orienta os coríntios sobre o uso dos carismas e ressaltar o dom do amor.

   Em grego existem diferentes palavras para designar o amor dos pais, o amor romântico e o amor entre amigos ou parentes. Nessa carta, Paulo usa a palavra amor do sentido de “Ágape”, para se referir ao amor gratuito e incondicional que vem de Deus, e que se refere em múltiplos e delicados detalhes. O ágape é gozo e desafio ao mesmo tempo: sem ele os outros carismas carecem de sentido. Pense em como você transmite o amor de Deus às pessoas que o rodeiam.

Saiba Mais…https://pay.hotmart.com/C40388000H?checkoutMode=10

   Portanto, “Nenhum profeta é bem recebido na sua terra”. Os habitantes de Nazaré julgam conhecer Jesus, viram-no crescer, sabem identificar a sua família e os seus amigos mas, na realidade, não perceberam a profundidade do seu mistério. Trata-se de um conhecimento superficial, teórico, que não leva a uma verdadeira adesão à proposta de Jesus. Na realidade, é uma situação que pode não nos ser totalmente estranha: lidamos todos os dias com Jesus, somos capazes de falar algumas horas sobre Ele; mas a sua proposta tem impacto em nós e transforma a nossa existência?

+Dom Junior de Jesus(Bispo Eleito)