4º DOMINGO DO ADVENTO

Misericórdia Acolhida, Misericórdia Transmitida!

   Já bem próximos do Natal do Senhor, somos hoje convidados a voltar nosso coração para a Virgem Maria, que, trazendo em si o Cristo, Salvador, não hesitou em ir ao encontro de quem dela necessitava. Por seu Sim, Maria acolheu a Misericórdia do Pai. Com sua visita à prima Isabel. Maria transmitiu esta mesma misericórdia a quem precisava. Que esta Eucaristia nos ajude a compreender ainda mais o ano dedicado a São José, e assim, caminhar pelas estradas do amor, do serviço e da solidariedade.

    A releitura cristã vê nesta promessa de Deus veiculada por (Miqueias primeira leitura 5,1-4) uma referência a Jesus, o descendente de David, nascido em Belém. A missão de Jesus não passa, no entanto, pela instauração do trono político de David (um reino que se impõe pela força, pela riqueza, pelas jogadas políticas e diplomáticas), mas sim pela proposta de um reino de paz e de amor no coração dos homens.

   A mensagem deste texto faz-nos constatar, também, a presença contínua de Deus na história humana. Apesar do egoísmo e do pecado dos homens, Deus continua a preocupar-Se conosco, a querer indicar-nos que caminhos percorrer para encontrar a felicidade. A vinda de Cristo, Aquele que é “a Paz”, insere-se nesta dinâmica.

   O Evangelho de Lucas 1,39-45, mostra-nos a proposta libertadora de Deus para os homens alcança o mundo através da fragilidade de uma mulher  que aceita dizer “sim” a Deus. É necessário ter consciência de que é através dos nossos limites e da nossa fragilidade que Deus alcança os homens e propõe o seu projeto ao mundo.

   Maria, após ter conhecimento de que vai acolher Jesus no seu seio, parte ao encontro de Isabel e fica com ela, solidária com ela, até ao nascimento de João. Temos consciência de que acolher Jesus é estar atento às necessidades dos irmãos, partir ao seu encontro, partilhar com eles a nossa amizade e ser solidário com as suas necessidades?

   A segunda-leitura tirada de Hebreus 10,5-10, mostra-nos a encarnação de Jesus e o seu “eis-Me aqui, Pai” correspondem ao projeto de Deus de aproximar os homens de Si, de estabelecer com eles uma relação de filiação e de amor. Nestes dias em que preparamos o Natal, somos convidados a contemplar a ação de um Deus que ama de tal forma os homens que envia ao nosso encontro o Filho, a fim de nos conduzir à comunhão com Ele.

    O encontro com Cristo significa aprender com Ele a obediência e a disponibilidade ao projecto de Deus. Como nos situamos, diante desta proposta: contam mais os nossos interesses pessoais, ou o projecto de Deus?

   Portanto, um dos traços mais característicos do amor cristão é saber comparecer junto aos que podem estar precisando de nossa presença. Esse é o primeiro gesto de Maria depois de acolher com fé a missão de ser mãe do Salvador. Pôr-se a caminho e andar depressa para junto de outra mulher que neste momento precisa de sua ajuda.

   Este amor que nos leva a compartilhar os fardos e o peso que o irmão tem que suportar é um amor “salvador”, porque liberta da solidão e introduz uma esperança nova em quem sofre, porque ele se sente acompanhado em sua aflição.

+Dom Júnior de Jesus(Bispo Eleito)