TODOS OS SANTOS E SANTAS DE DEUS

32º DOMINGO DO TEMPO COMUM – SOLENIDADE 

   Ao celebrar todos os Santos e Santas de Deus, a Igreja nos convida à santidade. Isto significa assumir os valores e ideais de Jesus. Esta vida nova começa no batismo e é amadurecida a cada dia, na fraternidade, no serviço, na oração e na missão.

   A primeira leitura tirada de Apocalipse 7,2-4.9-14, nos mostra que depois da visão sobre o cataclismo final, vem a visão dos salvos. Os 144 mil que se salvarão representam os judeus do Antigo Testamento e da época de Jesus que aceitaram a fé, no sentido da obediência a Deus, ao estilo de Abraão. Por isso, o texto os assinala provindo das doze tribos de Israel.

   A multidão enorme são todos aqueles que não pertencem ao povo de Israel e que também são chamados à salvação. Trata-se dos gentios de toda nação, toda raça, todo povo e toda língua, que são purificados graças ao sangue do Cordeiro. Todos eles dão glória a Deus com o testemunho de sua vida e inclusive com sua morte, como os mártires.

   Segundo o Evangelho de Mateus 5,1-12, Jesus começa seu anuncio do reino de deus declarando as bem-aventuranças como o estilo de vida que leva à felicidade.

   Uma atitude de abertura a Deus, como ocorre com os pobres de espírito, os aflitos, os humildes e os que desejam fazer a vontade de Deus. Um conduta cristã, como ocorre aos misericordiosos, aos de coração limpo, aos que constroem a paz e aos que sofrem perseguição por fazer a vontade de Deus, como era o caso da comunidade do Messias.

   A segunda Leitura tirada 1João 3,1-3, indica-nos que a filiação divina capacita-nos para a glória do céu, pois não é uma adoção legal e extrínseca, como a adoção humana de um filho. A adoção divina implica uma participação da natureza divina pela grça. “Semelhante a Deus”, desde já; mas só na glõria celeste se tornará patente o que já “agora somos”.

   Portanto, não podemos pensar que a formulação de algumas bem-aventuranças no futuro signifique algo que Deus vai realizar, sem a nossa participação, somente na vida eterna. Deus enviou seu Filho ao mundo para nos trazer o Reino de Deus, o Reino que pedimos no Pai Nosso. Jesus pôs em pratica o programa deste Reino que veio anunciar. Quem quer seguir o caminho de Jesus deve assumir também o seu programa. Assim, os aflitos serão consolados quando nós os consolarmos. Os mansos possuirão a terra quando nós lutarmos com eles. Os que têm fome e sede de justiça serão saciados quando nós os ajudarmos. Os miseráveis e pobres alcançarão misericórdia quando nós tivermos compaixão deles. Os Santos que hoje festejamos seguiram o exemplo de Jesus e colocaram em prática as bem-aventuranças. Ele é o modelo para todos nós: “Jesus percorria todas as cidades e aldeias ensinando nas sinagogas, pregando o Evangelho do Reino e curando toda enfermidade e doença. Vendo o povo, Jesus sentiu compaixão dele porque estava cansado e abatido como ovelhas sem pastor” (Mt. 9,35-36).

+Dom Júnior de Jesus (Bispo Eleito)