26º DOMINGO DO TEMPO COMUM

NADA DEVE FICAR NO CAMINHO DA FÉ

     Hoje, em todo Brasil, comemoramos o dia da Bíblia. Ela é o livro sagrado por excelência, porque contém a Palavra de Deus. As leituras de hoje nos ensinam que muitos são os carimãs que Deus distribuiu entre os homens e que devem ser postos a serviço, para tornar Deus conhecido de todos. Rezemos nesta Eucaristia para que o Senhor faça descer sobre nós a força do Espírito Santo, a fim de que possamos servir a Deus, aos nossos irmãos e irmãs e a Santa igreja, segundo a vontade o Pai.

    Este incidente (primeira leitura Números 11,25-29), é semelhante ao evangelho de hoje. Os discípulos queriam que Jesus proibisse os outros de expulsar os demônios pelo fato de não serem parte do seu grupo. Mas este tipo de atitude limitada foi condenada por Moises e pelo Senhor Jesus. Tome cuidado para não colocar limites em Deus. Ele pode trabalhar com quem Ele escolher.

     Moises estava ansioso pelo dia em que todo o povo de Deus iria experimentar o derramamento do Espirito Santo. O profeta Joel registrou a promessa de Deus de derramar seu Espirito sobre todos os crentes (Jl 2,28-29), e isto se cumpriu no dia de Pentecostes (At 2,16-21). Como Bispo Eleito da Igreja Vetero Católica Fidelitas, digo a você que está lendo essa homilia com muita fé: os crentes de hoje podem ter a certeza de que passam a ter consigo o Espirito Santo quando se tornam cristãos (Rm 8.9), e mais tarde são cheios dele através do batismo no Espirito Santo. Nós também podemos orar pedindo para vivermos através do poder do Espirito Santo. Se você deseja o poder do Espírito Santo, ore pedindo que Ele preencha sua vida com sua preciosa presença, e lhe fortaleça para que você possa seguir a Cristo.

   No Evangelho tirado de Marcos 9, 38-43.45.47-48, Jesus não estava dizendo que ser diferente ou neutro em relação a Ele é tão bom quanto ter um compromisso com Ele. Como explicou em Mt 12.30: “Quem não é comigo é contra mim; e quem comigo não ajunta espalha”. Em ambos os casos, Jesus estava mostrando que não é possível assumir uma posição de neutralidade em relação a Ele. No entanto, nem todos seus seguidores seriam parecidos ou pertenceriam aos mesmos grupos. As pessoas que estão do lado de Jesus têm o objetivo comum de edificar o reino de Deus, e não devem deixar que suas diferenças interfiram neste objetivo. Aqueles que compartilham uma fé comum em Cristo devem cooperar. As pessoas não têm que ser exatamente como nós para que estejam seguindo o Senhor Jesus conosco.

   “Se tua mão te leva a pecar, corta-a”! Este linguajar espantoso não tenciona promover a automutilação, mas, em vez disso, enfatiza a importância de extirpar o pecado da sua vida. Uma dolorosa autodisciplina é exigida dos verdadeiros seguidores de Jesus. Abri mão de um emprego ou um hábito, que é contrário à vontade de Deus, pode parecer tão doloroso quanto cortar uma mão, mas Deus vale qualquer possível perda ou desconforto. Como Bispo Eleito da Igreja Vetero Católica Fidelitas, quero que você repita a seguinte frase 03 vezes: nada deve ficar no caminho da fé. Devemos ser incansáveis para remover o pecado de nossas vidas agora, para evitar o sofrimento por toda a eternidade.

    A segunda Leitura (Tiago 5,1.6), mostra que a pessoa necessita de dinheiro para cobrir os gastos da casa, da roupa, do sustento, da saúde e da educação escolar. A questão está em como vemos essas necessidades em relação a nós e às pessoas pobres. As seguintes perguntas ajudam a refletir sobre isso: preocupo-me tanto em conseguir os meios para viver que já não consigo viver a minha própria vida? Fundamento a felicidade no dinheiro ou em viver plenamente os valores do Reino de Deus? De que maneira ajudo as pessoas necessitadas? Que importância dou a que toda pessoa tenha o nível adequado de segurança econômica?

     Dado o exposto, a liturgia de hoje mostra que a comunidade do Reino não pode ser uma seita arrogante, fechada, intolerante, fanática, que se arroga a posse exclusiva de Deus e das suas propostas. Tem de ser uma comunidade que sabe qual o seu papel e a sua missão, mas que reconhece que não tem o exclusivo do bem e da verdade e que é capaz de se alegrar com os gestos de bondade e de esperança que acontecem à sua volta, mesmo quando esses gestos resultam da ação de não crentes ou de pessoas que não pertencem à instituição Igreja. O verdadeiro discípulo não tem inveja do bem que outros fazem, não sente ciúmes se Deus atua através de outras pessoas, não pretende ter o monopólio da verdade nem ter o exclusivo de Jesus.

+Dom Junior de Jesus (Bispo Eleito)