13º DOMINGO DO TEMPO COMUM

A fé cresce e amadurece.

   A liturgia de hoje mostra uma menina e uma mulher que nos ensinam a trilhar o caminho da esperança, que nos animam a fazer coro com o salmista: “Eu vos exalto, ó Senhor, / pois me livrastes/ e preservastes minha vida da morte!” (Sl 29). Num contexto de tanta covardia e maldades, motivo não nos faltam para desanimar. No entanto, graças a figuras como a destas duas mulheres, não temos este direito. No exemplo delas, Deus nos convida à teimosia da esperança e a fazermos nossa parte na construção de um mundo diferente.

   A chave para entender a primeira (Sb 1,13-15;2,23-24) está em seus primeiros três versículos. À primeira vista pareceria que o autor se dirige aos governantes, mas sua mensagem é para toda pessoa.

   Governar quer dizer mandar com autoridade, reger uma casa. Desde que nos criou, Deus pôs sob nosso governo o universo inteiro; com os dez mandamentos, nos deu as regras para governar nossa relação com ele e com nossos semelhantes; através dos profetas, afinou nossa compreensão da lei da aliança.

   Agora, com o livro da Sabedoria, nos diz que exerçamos este governo amando a justiça e buscando a sabedoria, ou seja, dedicando a nossa vida a fazer e promover o que lhe agrada. Podemos fazer isso só se soubermos o que agrada a Deus, para o que precisamos buscá-lo com simplicidade de coração.

   Como Bispo Eleito da Igreja Vetero Católica Fidelitas, deixo para você que está lendo essa homilia as seguintes perguntas: Como você administra, conserva e cuida dos recursos que Deus lhe deu? Quanto você procura conhecer o que agrada a Deus e reger sua vida com base nisso? Com que princípios e valores você direciona suas relações interpessoais?

   No Evangelho (Mc 5,21-43 ou 21-24.35-43), os discípulos haviam reconhecido a autoridade de Jesus em alguns milagres, mas diante de uma tormenta duvidam de seu poder (Mc 4,35-41). Sua pequena fé contrasta com a fé madura de Jairo, chefe de uma sinagoga, e a fé crescente de uma mulher que sofria hemorragias.

   Jairo procura Jesus para que cure sua filha enferma. Jesus o acompanha à sua casa, mas, antes de chegar, a menina morre. Jairo continua tendo fé em Jesus, que ressuscita a menina.

   A mulher enferma se aproxima secretamente de Jesus e o toca, confiante em seu poder para curá-la. Jesus a cura e pergunta quem o tocou. Com uma fé mais madura, proveniente de seu contato com Jesus, ela agora é capaz de dialogar com ele, sem se esquecer mais.

   A fé de ambos leva-os a se aproximar de Jesus confiantes em sua bondade e certos de que ele possui o poder de Deus para ajuda-los. Como Bispo Eleito da Igreja Vetero Católica, deixo as seguintes perguntas para sua reflexão ao longo da semana: Como é sua fé? Pequenina e frágil como a que expressaram os discípulos diante da tormenta, solida como a de Jairo ou consciente como a da mulher enferma?

   Para Paulo (2Coríntios 8,7.9.13-15) a coleta era um assunto do coração, pois cuidar de uma comunidade significava atender a Cristo, e ser generoso como os outros era igual a ser generoso com Deus, de onde vem todos os bens.

   Essa coleta era para amenizar a fome dos de Jerusalem serviu também para fortalecer a coesão e a unidade entre as comunidades cristãs. Isso era decisivo, pois as grandes distancias, as viagens lentas e as culturas diferentes causavam segregação. Além disso, Paulo tinha um carinho especial por seus irmãos judeus e um desejo ardente de que se convertessem a Jesus. Foi seu amor à igreja e a Jesus que originou que o pusesse como exemplo de generosidade, pois sendo rico, se fez pobre por vós, a fim de vos enriquecer por sua pobreza (2,8-9).

   Portanto, A mensagem para nós é que para quem acredita em Jesus não há situações sem volta. Quando nos deparamos com pessoas que envenenaram por completo a própria vida, perversas, malvadas, depravadas, totalmente “mortas”, nos sentimos desanimados, nos deixamos abater e acabamos por concordar, que aqueles que, como os amigos de Jairo vão nos dizendo: deixa pra lá, não adianta insistir, para que ainda incomodar o mestre? Para essas pessoas, inclinadas a perder a esperança de que alguma coisa ainda possa mudar, Jesus repete: “Não tenhas medo, somente crê”. Quem acredita nele, também hoje poderá ver “ressurgir” para uma vida nova aqueles que todos consideram definitivamente “mortos”.

+Dom Júnior de Jesus (Bispo Eleito)