SOLEINDADE DA SANTÍSSIMA TRINDADE

Um só Deus em Três Pessoas

   A fé nos ensina que Deus Único, mas não solitário. Ele é comunhão das Divinas Pessoas, comunhão que transborda para toda a criação, de modo especial para o ser humano. É em nome deste Deus Uno e Trino que encontramos sentido para tudo que somos e fazemos. É em nome deste Deus Uno e Trino que somos família, reunimo-nos em comunidade.

   Na primeira Leitura (Dt 4,32-34.39-40), Deus revela-se como o Deus da relação, empenhado em estabelecer comunhão e familiaridade com o seu povo. É um Deus que vem ao encontro dos homens, que lhes fala, que lhes indica caminhos seguros de liberdade e de vida, que está permanentemente atento aos problemas dos homens que intervém no mundo para nos libertar de tudo aquilo que nos oprime e para nos oferecer perspectivas de vida plena e verdadeira.

   A segunda leitura (Rm. 8,14-17) confirma a mensagem da primeira: o Deus em quem acreditamos não é um Deus distante e inacessível, que se demitiu do seu papel de criador e que assiste com indiferença aos dramas dos homens; mas é um Deus que acompanha com paixão a caminhada da humanidade e que não desiste de oferecer aos homens a vida plena e definitiva.

   No Evangelho (Mateus 28, 16-20), Jesus dá a entender que ser discípulo é aceitar o convite para se vincular com a comunidade do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Os discípulos de Jesus recebem a missão de testemunhar a sua proposta de vida no meio do mundo e são enviados a apresentar, a todos os homens e mulheres, sem exceção, o convite de Deus para integrar a comunidade trinitária.

   Portanto, num mundo onde Deus nem sempre faz parte dos planos e das preocupações dos homens, testemunhar o amor de Deus e apresentar aos homens o convite para integrar a família de Deus é um enorme desafio. O confronto com o mundo gera muitas vezes, nos discípulos, desilusão, sofrimento, frustração. Nos momentos de decepção e de desilusão convém, no entanto, recordar as palavras de Jesus: “Eu estarei convosco até o fim dos tempos”. Esta certeza deve alimentar a coragem com que testemunhamos aquilo em que acreditamos.

+Dom Júnior de Jesus (Bispo Eleito)