SOLENIDADE DE TODOS OS SANTOS E SANTAS DE DEUS

   SOLENIDADE DE TODOS OS SANTOS E SANTAS DE DEUS

   O Senhor nos concede hoje celebrar numa só festa os méritos de todos os Santos. Em cada Domingo, entramos na Igreja e, como verdadeira assembleia, unimo-nos à Igreja Celeste e a Igreja padecente para juntos celebrarmos o culto divino. A solenidade de hoje se torna, assim, ocasião de refletirmos sobre este chamado que Deus faz a cada um de nós e que está na raiz de nossa vocação cristã, o chamado à santidade.

   A primeira leitura tirada do Apocalipse 7,2-4-9-14. O selo de um livro ou de um documento tinha a função de identificar e proteger seu conteúdo. Deus coloca seu próprio selo em seus seguidores, identificando-os como seus e garantindo sua proteção sobre suas almas. Isso mostra quão importante somos para Ele. Nossos corpos físicos podem ser espancados, mutilados, ou até mesmo destruídos, mas quando somos selados nada pode prejudicar nossas almas.

   O selo de Deus é colocado na testa dos seus servos. Este selo é o oposto exato da besta. Estas duas marcas separam as pessoas em duas categorias: aquelas que pertencem a Deus e aquelas que pertencem a Satanás.

   Quem é esta grande multidão? Os 144 mil foram selados por Deus antes do grande momento de perseguição; a grande multidão foi levada para a vida eterna como Deus havia prometido. Antes, estas pessoas estavam sendo preparadas; agora, são vitoriosas. Esta multidão no céu é composta por todos aqueles que permaneceram fiéis a Deus ao longo das gerações. Como Bispo da Igreja Vetero Católica Fidelitas digo, nenhum cristão verdadeiro precisa se preocupar: Deus inclui e protege cada um de nós, e temos um lugar garantido em sua presença para sempre.

   Evangelho de Mateus 5, 1-12. Sabemos que os capítulos 5 a 7 de Mateus são chamados de sermão da Montanha, porque Jesus o proferiu sobre uma montanha nas proximidades de Cafarnaum.

   As bem-aventuranças podem ser entendidas no mínimo de quatro maneiras: 1- são um código de ética para os discípulos e um padrão de conduta para todos os cristãos. 2- contrastam os valores do reino, que são eterno, com os valores mundanos, que são temporários. 3- contrastam a fé superficial dos fariseus com a fé verdadeira que Cristo requer. 4- mostram como as expectativas do Antigo Testamento serão cumpridas no novo reino. Como Bispo Eleito reafirmo para você que está meditando através dessa homilia: Estas bem-aventuranças não são de múltipla escolha, não devemos escolher aquelas que gostamos e deixar de obedecer àquelas que não nos agradam. Elas devem ser consideradas e estudadas como um todo. As bem-aventuranças descrevem como devemos nos comportar como seguidores de Cristo.

   Cada bem-aventurança diz como ser abençoado por Deus. Ser abençoado e bem-aventurado significa ser mais do que feliz. Isto implica a condição ditosa ou invejável daqueles que fazem parte do reino de Deus. Ser bem-aventurado por Deus significa vivenciar esperança e alegria, independentemente das circunstâncias externas. Como Bispo digo a você nessa solenidade de todos os Santos e Santas, para encontrar a esperança, a alegria e a forma mais profunda de felicidade, siga a Jesus independente do que isso possa lhe custar.

   Jesus disse que devemos nos alegrar quando formos perseguidos por causa de nossa fé. A perseguição pode ser algo bom porque tira nossos olhos das recompensas terrenas, remove crenças superficiais, fortalece a fé daqueles que a enfrentam, e nossa atitude em relação a ela serve como exemplo para as pessoas que se espelham em nós. Podemos ser confortados ao saber ao que os maiores profetas de Deus foram perseguidos (Elias, Jeremias, Daniel). O fato de sermos perseguidos mostra que temos sido fiéis; os incrédulos passam despercebidos. No futuro, Deus recompensará os fiéis recebendo-os em seu reino eterno, onde não há perseguições.

   Na segunda Leitura tirada da Primeira Epístola de São João 3,1-3, o Apostolo do amor nos ajuda a compreender que a santidade comunicada pela graça de Deus se traduz em termos de filiação: Deus nos quis seus. “Vede que grande presente de amor o Pai nos deu: de sermos chamados filhos de Deus”!. E completa radiante. “E nós o somos”. E vibra ainda mais ao falar da visão beatifica do rosto de Jesus: “seremos semelhantes a Ele porque o veremos como Ele é”. Trata-se da glória comunicada pelo fulgor infinito da Trindade Santa.

   Portanto, se você quer viver para Deus, deve estar pronto para falar e fazer o que parece estranho para o mundo. Você deve estar disposto a dar enquanto outros estiverem adquirindo, a amar enquanto outros estiverem odiando, e a ajudar enquanto outros estiverem cometendo abusos. Ao abrir mão dos seus próprios direitos a fim de servir aos outros, um dia você perceberá todas as coisas boas que Deus tem reservado para sua vida.

  O louvor que a Igreja hoje eleva à santidade de Deus manifestada na vida dos seus santos, refulge na Virgem Maria e nos impele a participar dessa grande aventura do amor de Deus por nós.

+Dom Júnior de Jesus