HOMILIA DO XXXIII DOMINGO DO TEMPO COMUM

Estamos já nas últimas semanas do Tempo Comum e próximos de findar o Ano Litúrgico. Celebramos hoje o IV Dia Mundial dos Pobres, com a consciência de que a pobreza é fruto da indiferença e do egoísmo humano. Nestes tempos de pandemia, de um modo especial, devemos estender as mãos aos pobres com um sinal de proximidade, de solidariedade e de amor.

A primeira leitura é tirada de Provérbios 31, 10-13.19-20.30-31. O livro de Provérbios tem muito a dizer a respeito das mulheres. Como é apropriado que o livro termine com a imagem de uma mulher de forte caráter, grande sabedoria, muitas habilidades e grande compaixão.

Algumas pessoas têm ideia equivocada de que a mulher ideal na Bíblia é isolada, servil e inteiramente doméstica. Isso não é verdade! Esta mulher é uma excelente esposa e mãe. Esta também é uma fabricante, importadora, gerente, agricultora, costureira, tapeceira e comerciante. Sua força e dignidade não se originam de suas espantosas realizações, elas são o resultado da sua reverência por Deus.

O Evangelho de Mateus 25, 14-30, mostra que um homem dividiu o dinheiro entre seus servos de acordo com as habilidades de cada um deles. Nenhum recebeu mais ou menos do que poderia administrar. Se eles falhassem em suas atribuições, não poderiam dar desculpa de que foram sobrecarregados. As falhas indicam apenas preguiça ou ódio contra seu senhor. Os talentos representam qualquer tipo de recurso que é nos dado. Deus nos dá tempo, dons e outros recursos de acordo com nossas capacidades, e espera que nós os invistamos de forma sábia até que ele volte. A questão não é quanto temos, mas quão bem usamos o que temos.

Esta parábola descreve as consequências de duas atitudes em relação à volta de Cristo. A pessoa que se prepara diligentemente para a volta de Cristo investindo tempo e talentos para servir a Deus, será recompensada. A pessoa que não aprecia a obra do reino não receberá as recompensas de Deus. Aqueles que não produzem frutos para o reino de Deus não podem esperar ser tratados da mesma forma como aqueles que são fiéis.

A segunda Leitura é tirada de Primeira Tessalonicenses 5, 1-6. “Acerca dos tempos e das estações” se refere ao conhecimento do que acontecerá no futuro, especificamente, no retorno de Cristo. Os esforços para determinar a data do retorno de Cristo são tolos. Não se deixe confundir por qualquer pessoa que afirme saber. Esta passagem nos diz que ninguém sabe, e que até mesmo os cristãos ficarão surpresos. O Senhor retornará repentinamente e inesperadamente, adverte Paulo, por isso, esteja preparado. Como ninguém sabe quando Jesus voltará à terra, devemos estar preparados em todos os momentos. Suponha que Ele volte hoje. Como Ele encontraria você vivendo? Você está preparado (a) para encontra-lo? Viva cada dia preparado para receber a Cristo.

Portanto, neste domingo dos Pobres, nos ilumine e encha de esperança, a benção encontrada no ritual do matrimonio: “Sede testemunhas do amor de Deus no mundo, socorrendo os pobres e todos os que sofrem, para que eles vos recebam um dia, agradecidos, na eterna morada de Deus”.

+Dom Junior de Jesus