HOMILIA DO XVI DOMINGO DO TEMPO COMUM

HOMILIA DO XVI DOMINGO DO TEMPO COMUM

http://www.arquidiocesedabahiaiavcbf.com.br

 

+Começo a homilia de hoje dizendo: A IGREJA APOSTÓLICA VETERO CATÓLICA  DO BRASIL FIDELITAS,presente no Estado da Bahia, solidariza com a Igreja Católica Romana, pela morte de Dom Henrique Soares da Costa. Seu Lema Episcopal: IN CHRISTO PASCERE (APASCENTAR EM CRISTO). Assim fica a nossa oração: Senhor, nesta hora da passagem de Dom Henrique Soares da Costa, confortai seus familiares e amigos na dor da separação( momento de silêncio).

 

    Por meio das parábolas do joio e do trigo, da semente de mostarda e do fermento, Jesus ensinou que o mal não vem de Deus nem tem a última palavra sobre o mundo. Cabe a nós, com confiança e conversão, identificar os pequenos sinais da presença de Deus e acolher a sua graça que silenciosamente atua no dia a dia.

   A primeira leitura tirada de Sabedoria 12, 13.16-19, mostra-nos um Deus que, apesar da sua força e onipotência, é indulgente e misericordioso para com os homens, mesmo quando eles praticam o mal.

   O Evangelho garante-nos que o Reino está em processo de crescimento no mundo. É verdade que é difícil perceber essa semente a crescer ou esse fermento a levedar a massa, quando vemos o aumento das violências, as injustiças, a prepotências, as escravidões. Como Bispo Eleito te aconselho a não perder a confiança e a esperança. Apesar das aparências, o dinamismo do Reino está presente na história e na vida dos homens.

   Na parábola do trigo e do joio, Jesus garante-nos que o projeto de Deus não prever a destruição do pecador, a segregação dos maus, a exclusão dos culpados. O Deus de Jesus Cristo é um Deus de amor e de misericórdia, sem pressa para castigar, que dá ao homem todo tempo do mundo para crescer, para descobrir o dom de Deus e para fazer suas escolhas. Eu, dom Junior, como anunciador da Palavra te aconselho, a nunca perder de vista a paciência de Deus para com os pecadores. Na verdade, devemos moderar nossa dureza, a nossa intolerância, a nossa intransigência e a contemplar os irmãos e irmãs com suas falhas, defeitos, diferenças, comportamentos com os olhos benevolentes, compreensivos e pacientes de Deus. Devemos tentar imitar a paciência de Deus para não metermos o mal e o bem no mesmo saco.

   A Segunda Leitura de Romanos 8, 26-27, nos lembra que é Deus que nos dá a força de viver segundo o Espírito. No entanto, devemos continuamente pedir a Deus essa graça. Pois, o ritmo da vida moderna é pesado. As exigências profissionais, os problemas familiares, a dificuldade no trânsito, a necessidade de ganhar a vida atiram-nos de corrida em corrida, sempre ocupados, sempre cansados, sempre carregados de stress, prisioneiros de uma máquina que nos desumaniza e que não nos deixa centrar a nossa atenção no essencial. Como Bispo eleito, preste a ser consagrado, digo a você nesta homilia: É preciso encontrar tempo e espaço para refletir, para redefinir o sentido da nossa existência, para perceber se estamos a conduzir a nossa vida segundo a carne ou segundo o Espírito.

   Portanto, falar do Reino de Deus não significa falarmos de um condomínio fechado, ao qual só tem acesso um grupo privilegiado constituído pelos bons, pelos puros, pelos perfeitos, e de onde está ausente o mal, o egoísmo e o pecado. Falar do Reino é falar de uma realidade em processo de construção, onde cada homem e cada mulher tem o direito de crescer ao seu ritmo, de fazer as suas escolhas, de acolher ou não o dom de Deus, até a opção final e definitiva.

   Que o Espírito do Senhor, venha em socorro da humanidade que padece dia a dia com a pandemia e suscite em cada família palavras de consolo e muita paciência. Diante da pandemia , mantenha-nos confiantes na presença e na força do teu Reino.

Dom Junior de Jesus (Bispo Eleito)