HOMILIA DO VI DOMINGO DO TEMPO COMUM

   A missa de hoje quer nos lembrar que não podemos subordinar nossa fé aos benefícios que conseguimos de Jesus. Ter fé é algo bem diferente de querer Jesus apenas para resolver dificuldades. É não temer nem mesmo perder tudo por causa d’Aquele que deu a própria vida por nós. Que esta Eucaristia nos ajude a amar Jesus a cada dia de nossas  vidas, nele colocando a fonte maior de nossa alegria.

   Na Primeira Leitura (2Rs 5, 9-14), Naamã é curado da sua lepra pelo profeta Eliseu. O profeta o manda mergulhar sete vezes no Jordao e ele num primeiro momento reluta, mas, convencido por seus servos, mergulha e tem a sua carne purificada. Deus age através de gestos simples.

   No Evangelho (Mc 1, 40-45), tem-se a cura de um leproso. Ele se aproxima de Jesus e o provoca: “se queres tem, tens o poder de me curar”. É um homem de fé, que sabe que Jesus pode curá-lo. A atitude de Jesus é de compaixão. A compaixão é a capacidade de descer até onde a pessoa está. Jesus estendeu a mão e tocou nele. Com esse gesto de tocar, Jesus ficaria impuro, segundo as prescrições do Levítico. Mas Jesus se manifesta como alguém livre, que coloca o ser humano no centro. “E Jesus disse: Eu quero: fica purificado! No mesmo instante, a lepra desapareceu e ele ficou curado”. Jesus cura o homem e ao curá-lo lhe tira todo jugo da exclusão que pesava sobre ele.

   Jesus manda aquele homem ao sacerdote, pois quem havia decretado que ele estava leproso agora deveria proclamar que estava purificado. O homem vai e começa a contar e a divulgar o fato. É alguém que, a partir do momento em que experimenta a ação de Jesus na sua vida, curando-o, libertando-o, proclama para os outros aquilo que o Senhor fez por ele. Jesus, agora, já não pode mais entrar publicamente numa cidade; ficava nos lugares desertos e de toda parte vinham procura-lo. O Evangelho termina com uma grande convergência de pessoas para Jesus. Essa convergência se dá mediante o testemunho do homem curado da lepra. A beleza do gesto de Jesus atrai as pessoas.

   A Segunda Leitura convida os cristãos a terem como prioridade a glória de Deus e o serviço dos irmãos. O exemplo supremo deve ser o de Cristo, que viveu na obediência incondicional aos projetos do Pai e fez da sua vida um dom de amor, ao serviço da libertação dos homens.

   Portanto, a liturgia de hoje nos ensina que a fé é um caminho de confiança no poder de Jesus e de abandono ao seu amor misericordioso. Quem verdadeiramente experimenta o poder do amor de Jesus torna-se anunciador de Jesus, torna-se testemunha de Jesus Cristo, atraindo outras pessoas para Ele. O discípulo é aquele, aquela, que se encontrou com Jesus, que experimentou o seu amor misericordioso e, por isso, segue Jesus e o testemunha e o anuncia para os outros, para as outras pessoas.

+Dom Junior de Jesus