28º DOMINGO DO TEMPO COMUM

   Rico pode seguir Jesus?

 

 

   A Palavra de Deus nos convida hoje a rever nossa relação com os bens materiais, convocando-nos a largar o que nos impede de chegar a Deus. Reconhecer esta dinâmica não é sempre tarefa fácil e tranquila. Pode ser que leve uma vida inteira e cada um tem o seu momento.

   A primeira tirada de Sabedoria 7,7-11, ensina-nos que a sabedoria é um dom de Deus que o homem deve escolher com humildade e disponibilidade. Ela não chega a quem se situa diante de Deus numa atitude de orgulho e de auto-suficiencia; ela não atinge quem se fecha em si próprio e constrói uma vida à margem de Deus; ela não encontra lugar no coração e na vida de quem ignora a Deus, os seus desafios, as suas propostas.

   O sábio autor do nosso texto garante-nos que escolher a sabedoria não significa prescindir de outros valores mais materiais e efêmeros. Por vezes, existe a ideia de que acolher as propostas de Deus e seguir os seus caminhos significa renunciar a tudo aquilo que nos pode tornar felizes e realizados. Não é verdade. Há valores, mesmo efêmeros, que são perfeitamente compatíveis com a nossa opção pelos valores de Deus e do Reino. Não se trata de fecharmos ao mundo, de renunciarmos as coisas belas que o mundo nos pode oferecer e que nos dão segurança e estabilidade; trata-se de darmos prioridade àquilo que é realmente importante e que nos assegura, não momentos efêmeros, mas momentos eternos de felicidade e de vida plena.

   O que é preciso fazer para alcançar a vida eterna? O Evangelho de Marcos 10,17-30 ou 17-27, apresenta-nos um homem que quer conhecer o caminho para alcançar a vida eterna. Jesus convida-o a renunciar as suas riquezas e a escolher o caminho do Reino, caminho de partilha, de solidariedade, de doação, de amor. É nesse caminho, garante Jesus a seus discípulos, que o homem se realiza plenamente e que encontra a vida eterna.

   Marcos propõe-nos, depois, a reação alarmada, ansiosa, desorientada, dos discípulos face a esta exigência de radicalidade: “quem pode, então, salvar-se?” Em resposta, Jesus pronuncia palavras de conforto, apresentando o poder de Deus como incomparavelmente maior do que a debilidade humana (“aos homens é impossível, mas não a Deus; porque a Deus tudo é possível” – vers.27). A ação de Deus, gratuita e misericordiosa, pode mudar o coração do homem e fazê-lo acolher as exigências do Reino. É preciso, no entanto, que o homem esteja disponível para escutar Deus e para se deixar desfiar por Ele.

   A segunda leitura extraída de Hebreus 4,12-13, convida-nos a escutar e a acolher a Palavra de Deus proposta por Jesus. Ela é viva, eficaz, atuante. Uma vez acolhida no coração do homem, transforma-o, renova-o, ajuda-o a discernir o bem e o mal e a fazer as opções corretas, indica-lhe o caminho certo para chegar à vida plena e definitiva.

   Portanto, a história do homem rico que não está disposto a integrar a comunidade do Reino, pois não está preparado para viver no amor, na partilha, na entrega da própria vida aos irmãos, serve a Jesus para oferecer aos discípulos mais uma catequese sobre o Reino e as suas exigências. O caminho do Reino é um caminho de despojamento de si próprio, que tem de ser percorrido no dom da vida, na partilha com os irmãos, na entrega por amor. Ora, quem não é capaz de renunciar aos bens passageiros deste mundo, ao dinheiro, aos sucesso, ao prestigio, as honras, aos privilégios, a tudo isso que prende o homem e o impede de dar-se aos irmãos, não pode integrar a comunidade do Reino.

   O rico não deve pensar que vai conseguir a herança eterna com base em suas posses, poder, capacidade intelectual ou coisa semelhante. Tem de pedir a Deus, como graça, algo que não está incluído no pacote do poder: a capacidade de participar do Reino. Também não deve estar exclusivamente preocupado com “salvar sua alma” quando tudo lhe for tirado, mas peça desde hoje a Deus a graça do desapego para participar desse Reino, que já começou no mundo daqueles que seguem Jesus. Na alegria de servir encontrará a garantia da herança eterna.

+Dom Júnior de Jesus(Bispo Eleito)