Setembro Mês da Bíblia

A PALAVRA DE DEUS

Deus se comunica com os homens de modo diversos, mas sempre de acordo com a capacidade desse homem ou povo poder entender a sua mensagem. Cada povo tem a sua cultura, os elementos que lhe são constitutivos e que influem na sua capacidade de entender as coisas. Daí as diversas religiões.

Não podemos perder de vista que o cristianismo ou mesmo o judaísmo tem sua sede na Palavra. A Palavra ocupa um lugar especial na relação do homem com Deus, com o mundo e com os demais seres humanos. Isso é tão importante, que ela é o eixo da Revelação Divina. O Concílio Vaticano II assim diz “é tão grande o poder e a eficácia que se encerra na palavra de Deus, que ela constitui sustentáculo e vigor para a Igreja, e, para seus filhos, firmeza da fé, alimento da alma, pura e perene fonte espiritual. Por isso aplicam-se, por excelência, a Sagrada Escritura estas palavras: ‘É viva e eficaz a palavra de Deus’ (Heb. 4,12) que pode edificar e dar herança a todos os santificados’ (At. 20,23 e 1ª. Tss. 2,13)” Cf DV 21.

Ciente de que a Bíblia é pouco valorizada por muitos cristãos, é criado o mês de setembro como o Mês da Bíblia. Por que setembro e não dezembro? Porque no dia 30 de setembro se celebra São Jerônimo, quem traduziu a Bíblia dos originais para o latim.  A proposta é a de aproveitar o mês para incentivar os cristãos a adquirirem a sua Bíblia e organizar estudos bíblicos.

O Concílio Ecumênico Vaticano II afirma que “toda pregação eclesiástica, como a própria religião cristã, deve ser alimentada e regida pela Sagrada Escritura” (n. 21). O Concílio retomou a afirmação de Santo Agostinho de que “ignorar as Escritura é ignorar Cristo”. Por isso fez um convite aos cristãos para que se achegassem ao texto sagrado “pela Sagrada Liturgia, pela piedosa leitura e por cursos bíblicos”. Citando Santo Ambrósio, alertou para a necessidade de a leitura da Sagrada Escritura vir acompanhada pela oração, “pois a Deus falamos quando rezamos e a Ele ouvimos quando lemos os divinos oráculos”.

A partir do Concílio a Igreja começou a incentivar as famílias a terem a sua Bíblia em casa. Por isso, hoje são poucas as famílias católicas que ainda não têm Bíblia. Como Bispo Eleito da Igreja Vetero Católica Fidelitas, faço um alerta, ter a Bíblia em casa não é suficiente para um cristão. É preciso também ler o que nela está escrito. E a leitura não pode ser feita da mesma forma como se lê um texto no facebook ou outra mídia social qualquer. A Bíblia deve ser lida em clima de oração e com o coração voltado para Deus, prestando atenção à mensagem que Ele nos quer passar.

Nesse mês da Bíblia quero contar uma experiência pessoal para você que está lendo esse artigo. Assim que eu retornei para o ministério pela Igreja Vetero Católica Fidelitas. Deus colocou no meu coração que eu devia ler a Bíblia do início ao fim mais uma vez e dessa vez de forma diferente. A forma diferente foi ler a Bíblia Católica e a Bíblia Evangélica ao mesmo tempo. E peguei isso com muito amor e dedicação. Confesso, não foi fácil, mas graças a Deus estou concluindo agora a leitura das duas. Me resta apenas os 03 últimos capítulos do Apocalipse. Estou lhe contando essa experiência não para contar vantagem, mas para lhe dizer, nesse mês da Bíblia, que você também pode ler a Sagrada Escritura, se você ainda não leu ou deseja ler novamente. Tudo é questão de fé, disciplina, dedicação e organização.

Hoje como Bispo Eleito, confesso a você, olhando para as duas bíblias o ponto mais pesado é colocar em prática o que a Bíblia propõe, o grande desafio para os cristãos. Mahatma Gandhi, depois de ter lido a Bíblia se desiludiu profundamente com os cristãos que levavam uma vida em total desacordo com os ensinamentos de Jesus. Dizia ele: “Não conheço ninguém que tenha feito mais para a humanidade do que Jesus. O problema são vocês, cristãos, que não vivem o que a Bíblia ensina”. Recordo-me nesse momento o tempo de vida cristã. Fui batizado ainda criança, fiz primeira comunhão, crismei, ordenado diácono, ordenado sacerdote, me casei e estou preste a ser sagrado bispo pela Igreja Vetero Católica Fidelitas. Confesso que ao longo desse tempo foram muitas as tentativas de colocar a palavra de Deus em pratica, mas também houve muitas quedas por parte de minhas fraquezas humanas. Mas digo, também, nenhum das vezes que cair deixei de guardar e pregar a palavra, mesmo caído a beira do caminho ou comendo a comida dos porcos. E creio que Deus muitas vezes falou comigo como falou para a Igreja de Filadélfia “conheço as tuas obras: eu pus diante de ti uma porta aberta, que ninguém pode fechar; porque, apesar de tua fraqueza, guardaste a minha palavra e não renegaste o meu nome” (Ap 3, 8-9). Os habitantes de Filadélfia são elogiados por guardar a Palavra de Deus e nunca ter renegado o nome do Senhor, mesmo diante das quedas pelo caminho. Ou seja, são elogiados pelo seu esforço em obedecer e encorajados a apegar-se fortemente a Palavra de Deus. São convidados a recomeçar a caminhada em busca do encontro definitivo com o Senhor. Com essa partilha de experiência, quero dizer a você que era da caminhada e acabou fraquejando, desanimando, decepcionando, chateando, abandonado, perdeu o sentido de viver, não tem mais esperança; lembre-se do Salmo 11, 6  ou  12,6 que diz “irei levantar-me para lhes dar a salvação que desejam”. Se você clamar com fé, o Senhor levanta e toma conta da sua causa. E o mais bonito, Ele lhe põe de pé de novo. Porque a palavra de Deus é tão pura e perfeita quanto a prata refinada. Então, irmão e irmã, no decorrer desse mês ouça atentamente quando Deus falar com você através de sua Palavra.

Portanto, aproveitemos a graça do mês de setembro para criar maior familiaridade com a Palavra de Deus. Procuremos dar-lhe um lugar de destaque em nossas casas e tirar alguns minutos do dia para ler algum texto bíblico. Coloquemos em prática o que a Palavra de Deus nos propõe. A exemplo da mãe de Jesus, “que guardava tudo em seu coração”, guardemos a Palavra de Deus, meditando sobre aquilo que ela nos propõe.

+Dom Júnior de Jesus (Bispo Eleito)